Negócios orientados por amor, cuidado e consciência

2020-08-31T16:09:05+00:00 31/08/2020|

PRO CRIANÇA CARDÍACA MERGULHA OFICIALMENTE NO CAPITALISMO CONSCIENTE
PARA REFORÇAR MOVIMENTO CONTRA A DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL

Cresce a discussão em torno da ressignificação de valores capitalistas no mundo de hoje. Para muitos, a riqueza gerada e a divisão entre poucos está com os dias contados. Neste cenário, o Capitalismo Consciente assume o protagonismo no debate mundial.

O Pro Criança Cardíaca está neste mesmo movimento e se assume como parceiro e multiplicador da filosofia de nova liderança e de transformação em prol da humanidade. Recentemente, recebeu o selo de Parceiro/Eu APOIO do Instituto Capitalismo Consciente Brasil, que existe para transformar o jeito de fazer investimentos e negócios no Brasil, multiplicando os pilares que levam a uma gestão mais humana, mais ética e mais sustentável e com o objetivo de diminuir as desigualdades.

A partir desta parceria, a instituição participará de atualizações sobre o tema e intensificará, ainda, o contato com assuntos ligados à sustentabilidade, stakeholders, propósito e consciência. Estas frentes vêm sendo trabalhadas também com a Ocean Governança, responsável pela implementação da Governança Humanizada no Pro Criança, parceira do Capitalismo Consciente Brasil.

– Nossa instituição já tem o propósito de contribuir para a sociedade, desde a fundação em 1996. A missão do Pro Criança é cuidar das crianças cardiopatas carentes e tem o compromisso com a transformação social do Brasil, reforça a diretora executiva do Pro Criança, Mitzy Cremona.

O compromisso com a cura dos problemas e dores da sociedade, incentivo à liderança consciente, a relação imparcial entre todos os stakeholders, e a preservação da cultura consciente que sustenta o propósito na prática dentro das organizações são os pilares do trabalho do Capitalismo Consciente.

Segundo a diretora executiva do Pro Criança, entrar para o hall de empresas parceiras do Capitalismo Consciente é “literar” as atitudes que a instituição já tem.